Hospital Universitário já atendeu mais de 2,5 mil casos suspeitos e confirmados de COVID-19

Esta quarta-feira, dia 26 de agosto, marca seis meses do primeiro caso do novo Coronavírus registrado no Brasil. De lá pra cá, o sistema de saúde brasileiro tem enfrentado desafios diários para atender a população com sintomas da Covid-19. Diante desse cenário e para garantir o atendimento aos casos da doença e de pacientes que demandam outros cuidados em saúde, o Hospital Universitário da UFSCar (HU-UFSCar/Ebserh) tem empenhado esforços, desde a reestruturação física, passando pela capacitação da equipe, até investimento em novas tecnologias.

Como medidas de prevenção e controle hospitalar, o HU elaborou protocolos internos e reorganizou o fluxo de atendimento das pessoas com suspeita de Covid-19, que passou a ser realizado em local específico, evitando a exposição ao vírus dos demais pacientes encaminhados pela rede de saúde municipal. Após avaliação médica, é sempre indicado o isolamento social e cuidados em casa ou a internação.

Além dessa readequação dos fluxos, os leitos foram reestruturados para garantir espaço suficiente aos casos do novo Coronavírus. O Hospital disponibilizou 44 leitos de enfermaria e inaugurou 10 leitos da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) para atendimento exclusivo aos pacientes de Covid-19. A equipe de profissionais também foi ampliada, por meio de processo seletivo emergencial realizado pela Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh). Ao todo, foram contratados 89 funcionários, entre médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, fisioterapeutas, técnicos em análises clínicas e biomédicos, para atuar na assistência a pacientes suspeitos ou confirmados para Covid-19 que precisam de cuidados em regime de internação, tanto em leitos clínicos como na UTI.

Com a elaboração de novos fluxos e procedimentos, além da chegada de novos profissionais, foram necessárias capacitações teórico-práticas dos funcionários para a padronização das condutas básicas no manejo clínico dos pacientes e para o alcance da cura dos casos positivos da doença. Foram realizadas 13 capacitações, com 460 participações. Em relação à segurança dos profissionais que atuam na linha de frente, a gestão do Hospital se empenhou em garantir a disponibilização adequada de Equipamentos de Proteção Individual (EPIs) e a capacitação para a sua correta utilização. Todo esse empenho se reflete no baixo nível de contaminação e absenteísmo dos colaboradores.

A inovação no HU também passou pela disponibilização de novos formatos de atendimento diante da necessidade do distanciamento social imposto pela pandemia. Para garantir acompanhamento aos pacientes que já estavam em tratamento no Ambulatório de Especialidades, o Hospital instaurou a prática da telemedicina, por meio de teleconsultas e teleassistência, nas especialidades de Cardiologia, Neurologia, Imunopediatria, Infectologia, Nefrologia, Hematologia, Psiquiatria, Endocrinologia, Pneumologia e Cirurgia Vascular. Desde o início da pandemia, foram realizados 891 atendimentos nessas modalidades. Além disso, o HU também disponibilizou canal de comunicação específico – o Alô HU -, que é aberto à população e recebe chamadas e mensagens com dúvidas em relação à Covid-19. Desde março, o serviço recebeu 1.821 ligações e 446 mensagens.

Total de atendimentos
O primeiro caso suspeito de Covid-19 foi atendido no HU no dia 16 de março e o primeiro caso confirmado foi no dia 20 de março. Desde o início da pandemia, foram atendidos no Hospital 2.563 casos de síndrome gripal, desses 407 precisaram de internação e 249 foram testados positivo para a doença. Nesta quarta, dia 26/8, o HU tem 23 pacientes internados no espaço Covid, 16 em internação clínica e sete na terapia intensiva.

Para Ângela Leal, Superintendente do HU, essa pandemia está sendo um grande teste para a saúde brasileira. “Em relação ao nosso HU, está sendo extremamente desafiante, mas nossa equipe tem demostrado estar preparada para enfrentar crises. Neste tempo que passou, desde o primeiro caso no País, pudemos aprender muito e colocar em prática os novos conhecimentos adquiridos. Daquilo que já fizemos, temos o grato sentimento de dever cumprido”, afirma Leal.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *